O que acontece quando paro de praticar desporto

Creio que agora, depois de uma prova como o EPIC5, mereço umas boas semanas de férias! Hoje explico-vos o que me acontece quando paro de praticar desporto.

No entanto são necessários alguns cuidados, pois sempre que paro de praticar desporto (mesmo que só por algumas semanas) há algumas alterações no meu corpo que convém que consiga controlar.

É claro que estes intervalos na actividade desportiva acontecem após um pico de esforço, normalmente coincidentes com a conclusão da prova que é definida como o objectivo da época.

Por isso, estas paragens e correspondente descanso, são sempre muito bem-vindos e são essenciais para que o processo de recuperação e regeneração se realize de forma suave, natural e eficaz.

O nosso corpo habitua-se facilmente à “boa vida” e é necessário algum tipo de atenção durante estas paragens.

Assim, começa por ser necessário ter em atenção que a paragem não pode ser abrupta, é essencial que após a realização da última prova se façam pelo menos 3 a 4 dias de recuperação activa antes de parar totalmente por umas semanas.

E mesmo assim, logo quando paro de praticar desporto começo a sentir diferenças… no corpo e na mente.

A primeira alteração a fazer-se notar quando paro de praticar desporto é sempre o aumento de apetite.

É verdade, nas semanas imediatamente após a paragem tenho sempre um enorme aumento de apetite.

Isto também acontece porque normalmente faço a paragem da época após uma prova intensa (quase sempre a mais intensa da temporada), e o corpo vem com a necessidade orgânica de repor tudo o que gastou durante essa actividade (como em qualquer outra das provas mais duras).

Mas com este aumento de apetite é necessário ter alguns cuidados de rigor à mesa. 
Principalmente para não deixar descontrolar o peso e para não promover o crescimento de massa gorda ao ponto de se tornar demasiado trabalhoso o retorno aos treinos.

Por incrível que pareça é fácil para um atleta, em forma, conseguir ganhar perto de cinco quilos em poucas semanas de paragem! Eu pelo menos consigo.
Temos que nos lembrar que neste “rebound” estamos com mais apetite e que em simultâneo não temos o gasto calórico que normalmente acontece em período de treino.

A conjugação desses dois factores faz com que, ao fim de três semanas (senão tivermos cuidado), notemos alterações na nossa fisionomia (em Kgs…).

Para além da alteração de apetite também pode acontecer que passados 5-6 dias comece a ter necessidade de ter algum tipo de actividade ligada ao desporto, pois começo a ficar ansioso e por vezes até com algum “mau-humor” (como dizem lá por casa).

Uma boa solução para isto é tentar ocupar-me mentalmente revendo e escrevendo o que senti na última prova (e durante a sua preparação), tentando com isso tirar alguns ensinamentos para as próximas tentativas.

É útil deixar descrito o que funcionou bem e o que não funcionou tão bem. Isso será valiosíssimo na preparação da próxima época. É uma excelente forma de canalização de energias mantendo-nos envolvidos no desporto.

Paralelamente também aproveito estes períodos de descanso para acertar calendários, testar diferentes opções de nutrição, pesquisar novidades de equipamento, avaliar e escolher as possíveis provas a tentar fazer na próxima época. Esta é uma excelente forma de mentalmente me manter focado no triatlo evitando a sensação de vazio que por vezes se tenta instalar nestes períodos de descanso.

Nesta altura da época, de maior disponibilidade, também me envolvo mais com o meu clube. Tento ajudar na preparação da próxima época.

Mas o maior conforto é mesmo junto da família! Com quem aproveitamos estes períodos de descanso para concluirmos alguns planos feitos durante o ano em termos de viagens, visitas a familiares distantes ou actividades mais prolongadas.

Também é uma boa altura para fazer programas nocturnos. Ir a uma boa peça de teatro, algum espectáculo ou festival e até esporadicamente sair para uma jantarada e uns copos com os amigos até mais tarde.

É uma boa altura da época para repor equilíbrios e partilhar histórias de aventuras e conquistas.

José Massuça

Partilha